MENU

Los Grobo na Mídia

02 Janeiro, 2018
Os reis argentinos da soja apostam na tecnologia para entender a natureza
Daniel Gómez (ALN) .- No campo, qualquer chuva ou seca pode arruinar a colheita de um ano. É por isso que o grupo agrícola Los Grobo investe em tecnologia. "Nós nunca correríamos contra uma raça contra a natureza. Procuramos entender isso para mitigar os efeitos negativos de seus ciclos em nossos negócios ", disse o CEO da empresa, Jorge Arpi, à ALnavío.

Na Argentina, há Los Grobo, um dos grupos agrícolas mais poderosos da América Latina. Todos os anos, produzem 300 mil toneladas de soja, 100 mil toneladas de trigo, 100 mil toneladas de milho e pelo menos 10 000 toneladas de girassol. Um império verde tingido que fatua 1.000 milhões de dólares por exercício.

O engenheiro Gustavo Grobocopatel fundou a empresa em 1984. Três décadas depois, ele continua no comando como presidente. Ao lado dele, e por quatro meses, Jorge Arpi, CEO da Los Grobo.

Arpi, uma argentina de 56 anos, é contabilista nacional, tem mestrado em negócios pela Universidade de Deusto, Espanha, além de experiência em setores como agricultura, alimentos e eletrônicos.

Deve ser assim. Los Grobo é mais do que agrícola. É uma empresa de referência no que se conhece como a Revolução Verde, que busca uma mudança de paradigma no mundo agrícola. Você só tem que ver como em suas terras, que são arrendadas, os drones monitoram as culturas e as telas monitoram os riscos.

Sobre o compromisso contínuo com a tecnologia, planos de negócios, expansão para a Ásia e a situação atual na Argentina, o novo CEO, Jorge Arpi, responde ao jornal ALnavío.

- Você tem pouco na empresa, quais são seus desafios como CEO?
- O meu desafio pessoal é integrar de forma rápida e natural às equipes e contribuir com a minha experiência e vocação para que a empresa esteja sempre atenta aos desafios que enfrenta. Minha primeira obrigação é reunir uma equipe que gera resultados, que depois me transcende e garante a continuidade de uma história de sucesso de mais de três décadas. Em outras palavras, liderar um processo que responda a desafios a curto prazo e, em seguida, preparar a organização para o futuro.

- Quais são as perspectivas para 2018?
- Vamos começar o ano com a formulação de um plano de médio prazo que nos permita alinhar toda a organização com objetivos comerciais e administrativos claros, bem como objetivos financeiros e consensuais. Estamos cada vez mais integrados aos produtores na busca de respostas aos constantes desafios do negócio e esperamos trabalhar cada vez mais para aprimorar nosso recurso mais valioso, que é nosso povo. Somos uma empresa de pessoas que atingem objetivos trabalhando em equipe e com uma cultura baseada em inovação, qualidade e serviço.

- Los Grobo não só produzem grãos, mas também oferecem assistência técnica e financeira, insumos agrícolas ... Onde há mais oportunidades, na área de cultivo ou na área de serviço?
- O Los Grobo faz parte de um grande ecossistema de produção, no qual nosso papel é colaborar com os produtores para aumentar o ciclo produtivo e comercial. A contribuição da tecnologia é indistinta em ambos os casos.

- Por que as tecnologias apostam neste momento?
- Do ponto de vista da produção, a expansão das práticas globalmente denominada Agricultura de Precisão e Gestão Ambiental, juntamente com a busca de rotações ideais para cada caso específico. Do ponto de vista comercial, a otimização na integração dos diferentes sistemas e particularmente na logística, levando em consideração que somos fornecedores de soluções e serviços para agricultores.

- No seu negócio, a mão de Deus também é importante. Você vê Los Grobo ganhar essa raça para a natureza?
- Como um conceito geral, um entendimento adequado e, em seguida, gerenciamento de risco é básico no agro-business. Encontramos uma primeira fonte de redução do risco climático na dispersão espacial de nossos negócios, na diversidade de nossas fontes de renda, na aproximação conceitual de nossas relações contratuais e na cobertura de seguro seletivo. Eventos como os descritos ocorrem periodicamente com diferentes níveis de expansão e gravidade e para isso nos preparamos. Nós nunca correríamos contra uma raça contra a natureza. Procuramos entender isso, usá-lo para nosso benefício e aprender a mitigar os efeitos negativos de seus ciclos em nossos negócios.

- No jornal El País de Madri, há um artigo que diz que a sede de Los Grobo é como as do Google.
- Eu tive a oportunidade de conhecer o Google e o que posso dizer sobre isso é que trabalhamos para alcançar ambientes de trabalho criativos, modernos e estimulantes com pessoas no centro. Cada empresa tem sua cultura e trabalha no mundo de seus negócios específicos e, além de paralelos, constrói seu paradigma único.

- A Argentina está pronta para atender às demandas do setor agrícola moderno?
- Do meu humilde ponto de vista e sem negligenciar as questões de infra-estrutura e serviços, que são indubitàvelmente importantes e nos quais precisamos de investimentos e melhorias, nosso principal desafio é alcançar um modelo de desenvolvimento que combine integração inteligente com a economia sustentabilidade econômica global e de longo prazo. Se tivermos sucesso nisso, o restante não será uma limitação.

- O Los Grobo está otimista com a Argentina?
- Na medida em que a sociedade apóie as mudanças necessárias e que o governo ou os governos trabalhem consistentemente para materializá-las, o potencial da Argentina é enorme e estamos efetivamente otimistas. A agricultura, a indústria agrícola, a energia, a mineração, os serviços ligados ao conhecimento e ao turismo são, entre outros setores, uma enorme fonte de oportunidades que apoiam essa visão.

- E Los Grobo, você está otimista sobre o futuro da empresa?
- O estado natural do empresário é otimismo. Quando também uma empresa com histórico e recursos humanos valiosos está em um setor que cresce e gera oportunidades, esse otimismo tem uma base sólida.

- Qual é o saldo de 2017?
- O último foi para a Argentina em geral e para Los Grobo em particular um ano de transição. Com relação a Los Grobo, implementamos um plano que prepara a empresa para enfrentar, em condições de alta competitividade, os desafios do futuro no âmbito de uma economia diferente, com diferentes custos e diferentes incentivos. Os resultados estão nos acompanhando e vemos o futuro com entusiasmo.

- Qual safra lhes dá mais rentabilidade? Soja? O trigo? O milho?
- Não existe uma única resposta, uma vez que depende de uma matriz dinâmica que inclua os preços internacionais, os custos de produção, a zona e, adicionalmente, o tratamento tributário de cada cultura. O soja ainda possui um nível significativo de retenções de exportação, e a realidade é que a produção sustentável exige rotações que obtenham rentabilidade ao longo do tempo com base na coexistência de diferentes culturas, com base nos fatores mencionados acima. No nosso caso, a rotação com pulsos é um projeto ao qual atribuímos um potencial futuro forte.

- Você trabalha na Argentina, Uruguai e Brasil. Você pretende continuar expandindo? Você vê oportunidades de produção além da América Latina? Em Espanha, por exemplo?
- Definimos como nossa região de responsabilidade operacional para a América do Sul, com exceção da consulta, em que não definimos limites a priori, mas avaliamos as necessidades de cada projeto para entender se estamos em condições de agregar valor.

- A Ásia está em destaque. As oportunidades para serem bem sucedidas lá são realistas?
- Dada a nossa equação empresarial e as necessidades atuais e futuras do mercado asiático, vemos um cenário de demanda sustentada, mas ao mesmo tempo uma oferta crescente para a apropriação de margens ao longo da cadeia, o que exigirá um nível cada vez maior de eficiência e competitividade para os atores. Vemos um mercado dinâmico, mas ao mesmo tempo complexo e desafiador.

- Dentro de 10 anos, onde você coloca Los Grobo?
- Vejo a Los Grobo como protagonista do crescimento do setor de agronegócios na Argentina e na região, como uma empresa onde os jovens que entram no mercado querem trabalhar e onde nosso povo, produto de seu esforço e talento, encontra um lugar para se desenvolver .

--
Fonte: ALnavio.com (Espanha). Por Daniel Gómez.

Voltar